Irã começa enriquecimento de urânio a 60%, diz vice-chanceler iraniano

© REUTERS / WANA / Presidência do Irã

O Irã inicia o enriquecimento de urânio a 60%, informa a agência IRNA, citando o vice-chanceler iraniano, Abbas Araghchi.

“O Irã vai instalar mais mil centrífugas na usina nuclear de Natanz”, comunicou o diplomata ao canal de televisão Press TV. Adicionalmente, o oficial confirmou que o Irã notificou a Agência Internacional de Energia Atômica sobre os níveis de enriquecimento de urânio.

Anteriormente, o ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, declarou que centrífugas de nova geração de enriquecimento de urânio vão ser instaladas em breve, sendo a instalação uma resposta à “estupidez” dos organizadores da explosão na usina nuclear.

Por sua vez, o líder supremo da nação persa, Ali Khamenei, disse que Teerã vai enriquecer urânio se os interesses iranianos exigirem isso.

Em 11 de abril, o Irã relatou que na usina nuclear de Natanz foi registrado um incidente na rede de distribuição de energia. O presidente da Organização de Energia Atômica do Irã, Ali Akbar Salehi, chamou o incidente de “uma manifestação do terrorismo nuclear”.

O jornal The New York Times, citando fontes, escreveu que o incidente foi causado por explosão arquitetada por Israel. Após isso, o chanceler iraniano também anunciou o envolvimento de Israel.

Instalações nucleares de Natanz situadas ao sul de Teerã
© AP PHOTO / HASAN SARBAKHSHIAN Instalações nucleares de Natanz situadas ao sul de Teerã

O Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês) foi celebrado em 2015 por Reino Unido, Alemanha, China, Rússia, EUA, França e Irã para o cancelamento das sanções contra a nação persa em troca da restrição do programa nuclear iraniano, mas não chegou a três anos de existência. Em maio de 2018, a administração norte-americana de Donald Trump anunciou sua saída unilateral do JCPOA e o retorno à política de “pressão máxima” contra o Irã.

Um ano depois, o Irã anunciou a redução gradual de seus compromissos no âmbito do acordo, se recusando a restringir pesquisas nucleares, centrífugas e nível do enriquecimento de urânio. No final de 2020, entrou em vigor a lei iraniana que lançou a produção de urânio enriquecido a 20%, bem como a utilização de centrífugas mais potentes e a rejeição das investigações da Agência Internacional de Energia Atômica, por causa das sanções impostas à nação persa.

Fonte: Sputnik Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui