Taiwan se candidata para aderir a pacto de comércio transpacífico após pedido de adesão da China

© REUTERS / Ann Wang

Taiwan se candidatou oficialmente para aderir ao acordo de comércio do Pacífico, dias após a China ter mandado sua candidatura para se tornar membro em uma tentativa de aumentar sua influência econômica na região.

Chen Chern-chyi, o vice-ministro da Economia da ilha, disse na quarta-feira (22) que Taipé havia apresentado o pedido para adesão ao Acordo Abrangente e Progressivo para a Parceria Transpacífica (CPTPP, na sigla em inglês), informa o South China Morning Post.

Porém, ele afirmou que a súbita decisão de Pequim em aderir não afetou o plano de Taiwan de se juntar ao pacto comercial, uma vez que vinha discretamente tomando parte em negociações com países amigos, fazendo lobby para sua inclusão no CPTPP e em outros órgãos de natureza semelhante, indica a mídia.

Taiwan, que tem acordos de livre comércio com a Nova Zelândia e Cingapura – membros do CPTPP – foi excluído de várias organizações internacionais devido à objeção de Pequim.

O gigante asiático, por seu lado, criticou a tentativa de Taiwan em aderir ao pacto comercial transpacífico, reafirmando sua oposição à adesão da ilha a quaisquer acordos e organizações internacionais oficiais.

“Nós nos opomos resolutamente ao intercâmbio oficial de qualquer país com Taiwan, e nos opomos resolutamente à adesão da região de Taiwan a quaisquer acordos e organizações oficiais”, disse Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, nesta quinta-feira (23), citado pelo South China Morning Post.

Taipé, no entanto, expõe suas preocupações ante a possibilidade de Pequim bloquear sua adesão, caso sua candidatura seja aceita primeiro.

Originalmente conhecido como Parceria Transpacífica, o acordo composto por 12 países foi impulsionado pelos EUA como um jeito de conter a crescente influência econômica da China, mas acabou sendo suspenso no início de 2017, depois que o ex-presidente norte-americano Donald Trump se retirou do pacto, dizendo que os EUA não deveriam se engajar em nenhum acordo comercial multilateral que pudesse minar os empregos dos cidadãos estadunidenses.

Atualmente, o pacto tem como membros a Austrália, Brunei, o Canadá, o Chile, o Japão, a Malásia, o México, a Nova Zelândia, o Peru, Cingapura e o Vietnã. O Reino Unido também tenciona se juntar, enquanto que os EUA ainda não deram indicações claras se voltariam a entrar no grupo.

Fonte: Sputnik Brasil