Biden acusa Trump de obstruir a transferência de energia

O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, faz um discurso no Queen Theatre, Wilmington, Delaware, 28 de dezembro de 2020 (Foto: AFP)

Joe Biden acusa Donald Trump de colocar “obstáculos” no processo de transferência de poder, especificamente seus graduados no Pentágono e no Management Office.

“Enfrentamos obstáculos dos líderes políticos do Departamento de Defesa [EUA, Pentágono] e do Escritório de Gestão e Orçamento [OMB, por sua sigla em inglês]. E a verdade é que muitas agências vitais para nossa segurança sofreram danos enormes. Muitos deles ficaram sem pessoal e sem moral “, disse o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, em um discurso em Wilmington, Delaware, na segunda-feira.

A este respeito, afirmou que a sua equipa ainda não obteve todas as informações de que necessita sobre questões fundamentais relacionadas com a segurança nacional do actual Governo dos Estados Unidos, presidido por Donald Trump, qualificando-o de “irresponsável” por isso. .

Ele também frisou que seu grupo precisa ter pleno conhecimento do funcionamento dos órgãos governamentais, incluindo o Pentágono, para ter uma ideia para lidar e evitar qualquer tipo de suspeita, confusão ou atrasos, que os inimigos possam utilizar. para seu benefício.

Por seu turno, o Pentágono rejeitou estas declarações, indicando que a informação que partilhou até à data excede em muito a prestada às administrações anteriores, apesar de ainda faltarem três semanas para que Biden assuma a presidência do país.

“ O Departamento de Defesa realizou 164 entrevistas, com mais de 400 funcionários, e disponibilizou mais de 5 mil páginas de documentos,  muito mais do que foi inicialmente solicitado pela equipe de transição de Biden”, reagiu, por meio de comunicado, o Secretário de Defesa dos EUA em exercício, Christopher Miller.

No entanto, deve-se destacar que no dia 18 de dezembro, Miller anunciou que todas as reuniões com a equipe do próximo presidente estavam suspensas até depois de 1º de janeiro de 2021, uma medida que foi vista pelo ambiente democrata como uma decisão, por meio de de “resistência”, de alguns setores que se opõem à transferência de poder.

Embora o Colégio Eleitoral dos Estados Unidos tenha confirmado a vitória de Biden na eleição presidencial de 3 de novembro em 14 de dezembro , o magnata de Nova York não aceita seu fracasso, alegando uma suposta fraude eleitoral.

Nessa linha, Trump exigiu nesta segunda-feira, por meio de um tweet, que seus apoiadores se manifestassem no dia 6 de janeiro em Washington DC (capital dos Estados Unidos) para apoiar uma marcha massiva em frente ao Capitólio, com o objetivo de pressionar os parlamentares e, aliás, ao seu vice-presidente, Mike Pence, para que não certifiquem a vitória de Biden nas eleições. 

 

Fonte: HISPANTV

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui