China prende jornalista de empresa norte-americana por suspeita de crime contra segurança nacional

© AP Photo / Mark Schiefelbein

A chinesa Haze Fan, que trabalha para a Bloomberg News, foi vista pela última vez na segunda-feira (7) sendo levada por agentes de segurança em Pequim.

As autoridades chinesas detiveram a jornalista Haze Fan, funcionária do escritório da empresa de mídia Bloomberg News em Pequim, por suspeita de colocar em risco a segurança nacional, informou a Bloomberg News na sexta-feira (11). A China confirmou a detenção.

Fan, que é uma cidadã chinesa, foi vista pela última vez sendo retirada de seu apartamento na capital por agentes de segurança à paisana depois de falar com um de seus editores por volta das 11h30 da manhã de segunda-feira (7), informou a Bloomberg.

Depois que Fan desapareceu, a empresa entrou em contato tanto com o governo chinês quanto com a embaixada chinesa em Washington tentando descobrir para onde ela havia sido levada.

A Bloomberg LP, que controla a Bloomberg News, recebeu na quinta-feira (10) a confirmação das autoridades chinesas de que Fan estava detida sob suspeita de colocar em risco a segurança nacional.

“A cidadã chinesa Haze Fan foi detida pelo Escritório de Segurança Nacional de Pequim de acordo com a lei chinesa sobre suspeita de envolvimento em atividades criminosas que ponham em risco a segurança nacional”, disseram as autoridades chinesas, segundo a Bloomberg. “O caso está atualmente sob investigação. Os direitos legítimos da Sra. Fan foram plenamente assegurados e sua família foi notificada”.

Fan, que cobre assuntos envolvendo negócios chineses para a Bloomberg, começou a trabalhar na empresa em 2017. Ela trabalhou anteriormente para a Al Jazeera, CBS News, CNBC, e Thomson Reuters.

“Estamos muito preocupados com ela e temos falado ativamente com as autoridades chinesas para entender melhor a situação”, disse um representante da Bloomberg. “Continuamos a fazer tudo o que podemos para apoiá-la enquanto buscamos mais informações”.

A detenção de Fan vem em meio a tensões entre as organizações da mídia ocidental e a China, assim como entre a Casa Branca e a mídia chinesa.

Os Estados Unidos e a China têm imposto sanções a jornalistas reciprocamente. Washington rotula as organizações de mídia chinesas como entidades governamentais e o governo Trump, em maio, apertou os vistos para os repórteres chineses, limitando o tempo que eles poderiam permanecer no país a 90 dias.

Em fevereiro, a China expulsou três repórteres do diário The Wall Street Journal depois que ele publicou um artigo intitulado “China é o verdadeiro doente da Ásia”. Pequim rotulou o texto como racista e deu aos repórteres cinco dias para deixarem o país.

Um mês depois, a China disse que estava expulsando pelo menos 13 jornalistas norte-americanos de três grandes organizações de mídia: The New York Times, The Journal, e The Washington Post.

 

Fonte: Sputnik Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui