Eleições e democratas nos EUA: a diversidade era uma miragem?

Washington, (Prensa Latina) O abandono da senadora Elizabeth Warren nas primárias dos EUA, depois de seus maus resultados na super terça-feira, devolve as opções democratas à tradição: Bernie Sanders e Joe Biden, dois homens brancos em idade avançada.

Especialistas insistem que isso pode representar um problema antes do eleitorado, que geralmente ouve membros desse partido se qualificarem como campeões da diversidade.

A saída de Warren se junta à de Michael Bloomberg, bilionário ex-prefeito de Nova York, referência para a ala moderada e que já anunciou seu apoio a Biden, pressionando ainda mais os extremos ideológicos entre moderados e progressistas na corrida democrata.

No início das primárias, os democratas tinham quase vinte candidatos: um grupo heterogêneo que incluía asiáticos (Andrew Yang), afro-americanos (Cory Booker), latinos (Julian Castro) e várias mulheres (Kamala Harris e Amy Klobuchar, entre outras); a maioria com menos de 60 anos.

No entanto, pouco a pouco a auréola da diversidade e amplitude geracional foi diminuindo e Warren ficou no meio do caminho entre a senadora Bernie Sanders e o pragmatismo centrista do ex-vice-presidente Joe Biden, informou um editorial do The New York Times.

Warren, 70 anos, e senador de Massachusetts, entrou na batalha como um dos favoritos, graças a um discurso articulado e detalhado contra as grandes corporações financeiras, sua capacidade de oratória didática e uma poderosa história pessoal, o que o levou de algumas origens Humilde em Oklahoma para ensinar na Universidade de Harvard.

Mas pelos maus resultados no supermarte, nos quais ele nem conseguiu se impor em seu próprio estado, Massachusetts, houve especulações crescentes sobre sua retirada, especialmente entre os arredores de Sanders, que acredita que grande parte do voto de Warren poderia ser canalizado para o senador também.

No momento, no entanto, ele não endossará oficialmente nem Sanders nem Biden; o último lidera no momento a contagem de delegados com 596 contra os 531 do primeiro.

A próxima batalha dos aspirantes a democratas acontecerá no dia 10 de março, quando as primárias serão realizadas em mais seis estados: Idaho, Michigan, Mississippi, Missouri, Dakota do Norte e Washington. Para obter a indicação final na Convenção Democrática de julho de Milwaukee, são necessários mil 991 delegados.

Após a tentativa fracassada de 2016, em que Hillary Clinton perdeu a corrida presidencial contra o atual presidente Donald Trump, a sombra da diferença de sexo voltou a voar sobre o concurso eleitoral, disse o analista Paul McLuhan.

Com a partida de Warren, a porta para essa possibilidade está definitivamente fechada no próximo mandato.

Prensa Latina

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui